Guialazer

Eu vou (0 Pessoas vão a este evento)

750 g de farinha; 30 g de fermento de padeiro; 150 g de manteiga ou de margarina; 150 g de açucar; 150 g de frutas cristalizadas; 150g de frutas secas (pinhões, nozes, passas, etc.); 4 ovos; 1 limão; 1 laranja; 1 dl de vinho do Porto; 1 colher de sobremesa (rasa) de sal grosso.


Picam-se as frutas cristalizadas e põem-se a macerar com o vinho do Porto juntamente com as frutas secas. Dissolve-se o fermento em 1 dl de água tépida e junta-se a uma chávena de farinha (tirada do peso total). Mistura-se e deixa-se levedar em ambiente morno durante cerca de 15 minutos.

Entretanto, bate-se a gordura escolhida, o açúcar e a raspa das cascas do limão e da laranja. Juntam-se os ovos, um a um, batendo entre cada adição, e depois a massa de fermento. Quando tudo estiver bem ligado, adiciona-se a restante farinha peneirada com o sal. Amassa-se ou bate-se a massa muito bem. Esta massa deve ficar macia e elástica. Se estiver muito rija, junta-se um pouco de leite tépido. Misturam-se as frutas maceradas no vinho do Porto.

Volta a amassar-se e molda-se em bola. Polvilha-se a massa com um pouco de farinha, tapa-se com um pano e envolve-se a tigela num cobertor. Deixa-se levedar em ambiente morno durante cerca de 5 horas. Quando a massa estiver bem leveda em principio deve dobrar de volume, mexe-se e molda-se novamente em bola (ou em varias bolas) e já sobre um tabuleiro untado faz-se-lhe um buraco no meio. Introduz-se a fava e o brinde, este embrulhado em papel vegetal.

Deixa-se levedar durante mais 1 hora. Depois pincela-se o bolo com gema de ovo e enfeita-se com frutas cristalizadas inteiras, torrões de açúcar. pinhões inteiros, meias nozes, etc. Leva-se a cozer em forno bem quente. Depois de cozido, pincela-se o bolo-rei com geleia diluída num pouco de agua quente. Para impedir que a rodela feche, pode introduzir-se uma tigela no buraco.

Pensa-se que este bolo, que é hoje um dos símbolos da Festa do Natal, seja uma versão adaptada da “gallette des rois “, de Bordéus. Começa a fabricar-se nos fins de Novembro e vê-se em todas as pastelarias até meados de Janeiro. Todos os bolos devem conter uma fava e um brinde. A fava obriga aquele a quem sair a uma penalidade, que será cumprida no ano seguinte, ofertando um bolo-rei aqueles que o acompanharam na cerimonia do ano anterior.

Em "Cozinha Tradicional Portuguesa" de Maria de Lourdes Modesto