Guialazer

    Teatro

    A Varanda

    • "A Varanda". Texto de Jean Genet, com encenação de Luis Miguel Cintra
      "A Varanda". Texto de Jean Genet, com encenação de Luis Miguel Cintra
    • Imagem de ensaio (detalhe)
      Imagem de ensaio (detalhe) © Ricardo Aibeo
    • Imagem de ensaio (detalhe)
      Imagem de ensaio (detalhe) © Ricardo Aibeo
    • Imagem de ensaio
      Imagem de ensaio © Ricardo Aibeo
    • Imagem de ensaio (detalhe)
      Imagem de ensaio (detalhe) © Ricardo Aibeo
    • "'A Varanda' é o nome de um bordel ou casa de ilusões, dirigida por Irma e a sua ajudante Carmen"
      "'A Varanda' é o nome de um bordel ou casa de ilusões, dirigida por Irma e a sua ajudante Carmen" © Luís Santos
    • Os clientes deste bordel “imitam ou espelham as relações e as estruturas do poder” (detalhe)
      Os clientes deste bordel “imitam ou espelham as relações e as estruturas do poder” (detalhe) © Luís Santos
    • “As prostitutas ajudam a construir fantasias para o prazer dos clientes”
      “As prostitutas ajudam a construir fantasias para o prazer dos clientes” © Luís Santos
    • "As cenas vão-se sucedendo como variantes da mesma ideia até à cena da própria Morte"
      "As cenas vão-se sucedendo como variantes da mesma ideia até à cena da própria Morte" © Luís Santos
    • Uma morte “associada ao momento da derrota de uma Revolução que não se sabe se realmente se está a passar lá fora, se faz parte da ilusão”
      Uma morte “associada ao momento da derrota de uma Revolução que não se sabe se realmente se está a passar lá fora, se faz parte da ilusão” © Luís Santos
    • Elenco de "A Varanda"
      Elenco de "A Varanda" © Luís Santos

Eu vou (0 Pessoas vão a este evento)

Por PÚBLICO

Depois de “Ela”, Luís Miguel Cintra regressa a Jean Genet com o que diz ser “um dos espectáculos mais arriscados da história da Cornucópia e uma das suas mais difíceis apostas.”


Entre a tragédia e a comédia, passando pelo drama psicológico e pelo teatro de feira, a Cornucópia rebela-se em tempos de crise “contra as regras de mercado”, com o que diz ser “um enorme esforço de produção” que tem por objectivo desafiar o público.

 

Do complexo e provocatório texto de Genet, saem pequenas histórias e personagens, unidas por um espaço comum onde tudo se passa – o bordel de luxo chamado A Varanda. É ali que os homens projectam as suas incapacidades e desejos que, afinal, simbolizam nada mais do que os pilares da sociedade, onde o que reina é a ilusão e o engano.

 

É também a partir desse espaço que se conta a história de uma revolução: dali sai a rapariga que se torna na imagem vitoriosa do que se passa lá fora. E também Irma — patroa do bordel e amante do chefe de polícia —, que simbolicamente, e depois de destronada a rainha, restaura o antigo poder, fazendo passar-se por ela ao aparecer na varanda para saudar o povo.

Se algum destes dados não estiver correcto, diga-nos.

Votos dos Leitores


Média da votação dos leitores, num total de 20 votos
(carregue na posição pretendida para votar)