Guialazer

Por PÚBLICO

Em Almada, há "Uma Ilha Flutuante". O Porto revê os filmes de José Álvaro Morais.


"Uma Ilha Flutuante"
O encenador suíço Christoph Marthaler, conhecido pela estilo vanguardista e pela preferência pelo teatro do absurdo, atira-se à obra do autor francês Eugène Labiche (1815-1888). O resultado é "Uma Ilha Flutuante", "um enredo baseado no infindável filão da ridicularização do mundo de aparências burguês". Está em cena no Teatro Municipal Joaquim Benite, em Almada (hoje, às 21h30, bilhetes a 15€), integrado no programa do festival de teatro que decorre até dia 18, em vários espaços da cidade.

Serralves vai rever os filmes de José Álvaro Morais
Entre hoje e 30 de Julho, o Parque de Serralves vai receber a primeira retrospectiva integral no Porto do realizador e argumentista José Álvaro Morais (1943-2004). Trata-se de uma oportunidade para rever e redescobrir os seus trabalhos e "ver projectadas a Norte imagens do Sul", explica António Preto, responsável pelo programa. O primeiro filme a exibir, hoje à noite, é "Silêncios do Olhar" (2017), homenagem póstuma ao realizador, assinada por José Nascimento, que irá apresentar a sessão às 22h. Da viagem ao exilio, as raízes e o espírito do lugar, da pertença à evasão, a obra de José Álvaro Morais interroga um país que tanto atrai como repele. Segue-se a apresentação cronológica dos seus filmes: amanhã, "Cantigamente n.º 3" (1976), episódio de uma série produzida pelo Centro Português de Cinema para a RTP; e, quarta-feira, "Ma Femme Chamada Bicho" (1976), documentário sobre o casal Maria Helena Vieira da Silva-Arpad Szènes. "O Bobo" (1987), vencedor do Leopardo de Ouro do Festival de Locarno, no dia 24; "Zéfiro" e a curta-metragem "Margem Sul" (ambos de 1994), dia 25; e depois "Peixe Lua" (2000), dia 27; e "Quaresma" (2003), dia 30, completam o calendário. As sessões realizam-se todas ao ar livre, na Clareira das Bétulas, com bilhetes a 3€.