Guialazer

Por Rita Pimenta

Roald Dahl e o Dia do Pai.


A propósito do Dia do Pai, aqui fica a história de Danny, um rapaz que perdeu a mãe quando era bebé e contou sempre com o pai para que lhe ensinasse tudo o que de mais importante uma criança precisa para poder enfrentar o mundo e ser feliz. É mecânico e ambos vivem numa modesta caravana.

Danny fala do pai e de si próprio, logo nas primeiras páginas, assim: “Acho que transferiu para mim todo o amor que sentia pela minha mãe. Durante os meus primeiros anos de vida, nunca conheci um momento de infelicidade nem estive doente.” Há-de descobrir-lhe mais tarde alguns defeitos.

E é assim que o inigualável Roald Dahl avisa os pequenos leitores: “À medida que forem crescendo, hão-de aprender, tal como eu aprendi naquele Outono, que nenhum pai é perfeito. Os adultos são criaturas complicadas, cheias de esquisitices e segredos. Uns têm esquisitices mais esquisitas e segredos mais secretos do que outros, mas todos eles, incluindo os nossos pais, têm duas ou três manias secretas escondidas na manga que, por certo, vos deixariam de boca aberta caso as descobrissem.”

Uma mania secreta do pai (que não revelamos) vai conduzi-los a várias aventuras, mas sempre numa atmosfera comovente de partilha e ternura.

Danny, o Campeão do Mundo
Texto | Roald Dahl
Tradução | Susana Ferreira
Ilustração | Quentin Blake
Edição | Oficina do Livro
224 págs.
15,50€

____________________

Mais Letras Pequenas...
O Veado Florido

Veja também...
Letra Pequena, um blogue (quase sempre) sobre livros para crianças e jovens.