Guialazer

Por Mariana Mata

A 27 de Março, comemoram-se as artes do palco pelo mundo inteiro, data instituída para prestar homenagem ao Teatro e aos seus intervenientes. Cabe este ano ao multigalardoado Krzysztof Warlikowski a tradição de proferir a mensagem que assinala o Dia Mundial do Teatro, criado pelo Instituto Internacional de Teatro da UNESCO, em 1961.


O encenador polaco chama Prometeu à cena – o "criador da Humanidade" saído da mitologia grega, agrilhoado depois de ter partilhado os segredos dos deuses com os homens –, para fazer referência aos "profetas" da prosa que modificaram e trabalharam o seu mito no último século. É o caso de Franz Kafka, de cujas letras sai o que Warlikowski acredita ser a melhor descrição do teatro. É um tipo de teatro "ancorado na verdade e [que] encontra o seu fim no inexplicável" que o encenador deseja a todos os que nele trabalham, "os que se encontram no palco e os que constituem o público".

Por cá, soltam-se os grilhões como se pode, dentro da verdade teatral inexorável. Embora mais timidamente este ano, com poucas estreias e produções próprias, o Dia Mundial do Teatro continua a assinalar-se um pouco por todo o país.

É no Porto que as comemorações mais fortemente se fazem sentir. O Teatro Nacional de São João promove a Semana Mundial do Teatro onde dá a conhecer os seus bastidores, em visitas guiadas por especialistas – entre eles, o cenógrafo Pedro Tudela (24/3), o actor João Reis (25/3) e até o director artístico Nuno Carinhas (27/3) – que mostram o que acontece por detrás do pano. À tarde, também há "masterclasses" e oficinas (de cenografia, com Pedro Tudela ou de fotografia, com João Tuna, por exemplo). Mas todos os caminhos vão dar a "O Fim das Possibilidades", a recentemente estreada "parábola da crise económica, social, política que atravessamos hoje na Europa". Para além desta, no Teatro Carlos Alberto, Rogério de Carvalho revela "O Que É Que o Pai Não te Contou da Guerra?" E "Nove's Fora", no Mosteiro de São Bento da Vitória, comemora com o público infantil. É ainda na Invicta que se mostra "Casa Vaga" no Rivoli, e que é também possível viver "O Vosso Pior Pesadelo".

Em Bragança e Vila Real, cumpre-se a tradição e, por isso, 27 de Março é dia de abertura do Vinte e Sete - Festival de Teatro. Para comemorar, sobe gratuita e simultaneamente ao palco "Ajax", na primeira cidade, e "O Avarento", da Ensemble - Sociedade de Actores, na segunda. Ainda no norte do país, Barcelos mostra como "Falar Verdade a Mentir", "O Homúnculo" revela-se à Covilhã e a Guarda recebe a visita das "Marleni - Divas Prussianas, Loiras como Aço".

Descendo em direcção ao litoral, entra "Godspell" em Aveiro, à moda da Broadway, para uma celebração musical. E "Estamos Todos?" é a pergunta que José Pedro Gomes coloca em palco, em Estarreja.

Abaixo, Coimbra tem mais encanto teatral neste dia com as "Entrelinhas" de Tiago Rodrigues e Tónan Quito, seguidas das perguntas e respostas "non-stop", adaptadas do texto original de Tim Etchells, de "Quizoola!", produções que integram o Festival End. Mas também há por ali "Novas Directrizes em Tempos de Paz" e um ensaio d'"Os Sonhos de Einstein".

A meio caminho entre o centro e o sul, e ao abrigo do Festival de Teatro de Pombal, mostra-se "One Man Alone". Em Leiria, é Moliére que se apresenta, "Casado à Força". Depois de "A Minha Primeira Vez na Área de Serviço", em paragem no Cartaxo, segue-se viagem até à capital.

No Teatro Maria Matos há programa especial. Dias do Teatro faz a festa gratuitamente e, para além de espectáculos como "Notallwhowanderarelost", oferece visitas e oficinas para miúdos e graúdos. No Teatro Nacional D.Maria II, há uma "Homenagem a João Villaret" e a possibilidade de assistir livremente à morte em "Pirandello". Também em Lisboao Teatro vai ao Circo no Chapitô, com programa próprio onde, para além de um "Édipo" cómico, há música e animação. A Barraca revela ainda por que é que "Hoje É o Dia... Excertos da Vida de Um Esfomeado". Depois, faz-se "Silêncio".

A sul do Tejo, também há várias celebrações. Em Almada, o Teatro Municipal Joaquim Benite oferece os espectáculos "Mana Solta a Gata" e "Nossa Senhora da Açoteia". Ali perto, no Montijo, há uma comédia que é "Tiro e Queda". No Seixal, toca "O Contrabaixo", que até dá o mote para a comemoração com "Trovas & Canções", em Sesimbra. "O Sonho" de Strindberg comanda o palco, em Setúbal.

Já em pleno Alentejo, descobre-se que os "Monstros S.A. (Sem Abrigo)" estão em Beja e que, em Sines, há uma "Wahida: Coração Costurado" cosida em teatro físico.

Chega-se, por fim, ao Algarve com o "Menino de sua Avó", de visita a Loulé. E Faro fecha a volta, onde se estreiam "Os Emigrantes", em companhia da casa.