Guialazer

Castelo de São Jorge

Por DR

Votos dos Leitores


Média da votação dos leitores, num total de 60 votos
(carregue na posição pretendida para votar)


30.10.10 Por Andreia Marques Pereira

Quando se levou a cabo a reconstrução do Castelo de São Jorge, nas décadas de 30 e 40 do século passado, as pessoas começaram por chamar-lhe "castelo de mentira", porque parecia surgir do nada.


Na verdade, emergiu da cápsula que diversas construções ao longo dos séculos ali criaram e testemunham a polivalência do monumento português mais visitado. Limpos os "excessos", revelaram-se as fundações do século XI (do período islâmico, embora a ocupação da colina lisboeta esteja confirmada desde pelo menos 600 a.c.) e devolveu-se a coroa à colina mais alta da capital.

 

É para lá que subimos, pela Rua de Santa Cruz do Castelo, encaixada entre as muralhas da alcáçova e as ruelas da freguesia do Castelo: a mais antiga de Lisboa, que vive, como habitualmente, entre os turistas e as roupas a secarem nas janelas, portas abertas, gaiolas nas paredes e fado que se desprende de aparelhagens - garantimos que não é (só) cliché. E com um pé no Castelo, que para muitos foi o pátio de todos os recreios. D. Paixão entra antes de nós, cabisbaixa. "O que se passa, está cansada?", saúda a segurança. "Venho só um pouco à esplanada", responde. "A sua amiga já entrou." Vêm sempre, D, Paixão e a amiga, habitantes do Castelo e sem precisar sequer de parar na casa partida - portas escancaradas pelo cartão de residentes da freguesia - enquanto outros confundem a caixa multibanco com a venda de bilhetes.

 

Da Praça de Armas, D. Afonso Henriques, que conquistou Lisboa em 1147, continua de atalaia ao castelejo, ao paço real e até ao bairro residencial muçulmano, envolvidos aqui pelas muralhas da alcáçova. Começamos pelo paço régio, com as grandes abóbadas restauradas para lá da entrada sob arcos ogivais, onde funciona agora o Núcleo Museológico, feito do espólio encontrado nas escavações feitas aqui. Afinal, é este paço, que já existia em tempos islâmicos, o motivo do destaque de Mário Barroca - a partir de D. Afonso III (século XIII), que transferiu a capital para Lisboa, o castelo passou a ser residência real oficial até que D. Manuel I se mudou para o Paço da Ribeira). E, como tal, foi testemunho de episódios marcantes da história nacional: as comemorações do regresso de Vasco da Gama da Índia, a apresentação da primeira peça de teatro portuguesa, para citar os mais óbvios.

 

No castelejo, fugimos à tentação da entrada mais fácil - até porque as nossas guias nos dizem que é uma espécie de "remendo", rasgada por motivos pragmáticoturísticos na barbacã. A original fica mais à frente e atravessamos a ponte levadiça sobre um fosso seco para dobrar a esquina impetuosa da barbacã (para evitar transição fácil) e entrar finalmente no "castelo". A música anda no ar - e não é figura de estilo: é a guitarra de Pedro Godinho, um dos músicos "residentes", que nos acompanha pelos dois pátios - enquanto caminhamos pelo adarve, que não se limita à muralha e se aventura sem "trapézio".

 

Cumpre-se o "cruzamento" central e desemboca-se quase por cima da porta principal, com direito a passagem na "Câmara Escura" da Torre de Ulisses (onde funcionou o arquivo do Tombo), para a experiência de um Big Brother nas ruas de Lisboa com o auxílio do periscópio aqui montado. Segue-se para bingo para chegar à miragem da Torre de São Lourenço, assente já a fugir na encosta inclinada ligada por uma couraça ao castelejo (lógica: permitia a saída da cidade subitamente cercada) e passagem pelas torres da Cisterna e do Paço, antes da Torre de Menagem, num dos extremos da muralha povoada por gatos, vemos agora. Já ajudaram a controlar os pavões tão característicos de São Jorge, agora todos convivem pacificamente: os gatos preguiçam, os pavões exibem-se mais à frente.

 

Seguimos para o Núcleo Arqueológico e, admiramo-nos, não saímos do castelejo. A única entrada obriga a seguir pelo adarve, uma vez que um parque de estacionamento - para os residentes da freguesia - se implantou entre as duas secções da alcáçova. É, portanto, do alto que vemos a intervenção de Carrilho da Graça que lhe valeu o Piranesi Prix de Rome 2010, que premeia trabalhos de valorização do património arqueológico através de projecto contemporâneo.

 

Está delimitada por painéis de aço e no seu interior reúne vestígios da Idade do Ferro, das ruínas do Palácio dos condes de Santiago (séculos XV a XVIII) e do período islâmico - e aqui está o destaque: percorremos uma rua do século XI (no final da qual se encontrou uma espécie de "frigorífico" colectivo) e entramos em duas casas, bem preservadas em termos de planta, às quais a intervenção do arquitecto deu sensação de espaço. Ambas se distribuem em torno de um pátio central, com delimitação da zona mais íntima - ainda há restos de estuques decorados (com o "cordão da felicidade": dourado sobre fundo vermelho) e restos do chão de argamassa.

 

Hoje, uma neblina estendeu um manto suave sobre a cidade. Mas, garantem-nos, em dias limpos vê-se até ao Castelo de Palmela, bem do outro lado do Tejo. Dos terraços nas traseiras da alcáçova, pontuado de canhões onde todos se querem fotografar, espreitamos o casario até ao Terreiro do Paço, o Cristo Rei e a Ponte 25 de Abril. Lisboa é a única capital europeia com um castelo do século XI no seu centro, ouvimos. Que bem lhe fica.

 



Última actualização a 08-03-2010
Se algum destes dados não estiver correcto, diga-nos.