Guialazer

Mosteiro da Batalha

Por DR

Votos dos Leitores


Média da votação dos leitores, num total de 29 votos
(carregue na posição pretendida para votar)


02.09.11 Por PÚBLICO

Considerado Património Mundial pela UNESCO, o Mosteiro de Santa Maria da Vitória, também conhecido como Mosteiro da Batalha, é uma obra-prima da arte gótica e manuelina em Portugal e no mundo. Situado no distrito de Leiria, foi edificado na sequência de uma promessa feita por D. João I à Virgem Maria caso Portugal vencesse Espanha na Batalha de Aljubarrota (14 de Agosto de 1385).



A obra iniciou-se em 1388, estando a cargo do arquitecto português Mestre Afonso Domingues. Durante os vários anos que levou a ser construído (cerca de século e meio), o mosteiro sofreu influências de vários mestres e, por isso, de diferentes estilos (com destaque para os estilos manuelino e gótico flamejante).
Logo à entrada, o portal principal reveste-se de inúmeras esculturas alusivas a figuras bíblicas: apóstolos, profetas, anjos e Jesus Cristo rodeado pelos quatro evangelistas. No interior, a construção é composta por Igreja, Capela do Fundador, Claustro Real, Sala do Capítulo, Claustro de D. Afonso V, Capelas Imperfeitas e Lavabo dos Monjes.
A Capela do Fundador foi construída em 1426 pelo mestre irlandês Huguet, que introduziu a decoração do gótico flamejante. Aí se encontram os túmulos de D. João I, D. Filipa de Lencastre e dos filhos de ambos. Os vitrais das janelas góticas representam as cenas religiosas da Visitação, Adoração dos Magos, Fuga para o Egipto e Ressurreição de Cristo. As capelas laterais têm altares de diversos séculos, assim como alguns túmulos medievais.
O Claustro Real é da autoria dos mestres Afonso Domingues e Huguet. Como tal, é uma mistura dos estilos gótico e manuelino. Mais tarde, já no século XV, foram-lhe adicionados elementos decorativos que incluem, entre outros motivos, cordas, esferas armilares, flores de lis, cruzes de Cristo e conchas.
Também da autoria do Mestre Afonso Domingues é a Sala do Capítulo. Na sala, de destacar uma abóboda sem nenhum suporte além das paredes e uma janela com vitrais do século XVI a representarem cenas da Paixão de Cristo.
Por sua vez, o Claustro de D. Afonso V integra os túmulos de D. Duarte e de D. Leonor. Não apresenta decoração, apenas se destacando os capitéis e o luxuoso portal manuelino da autoria de Mateus Fernandes. O claustro apresenta sinais de não estar concluído.
As Capelas Imperfeitas, de rara beleza, com milhares de esculturas incrustadas, constituem o exemplo mais forte da arte manuelina. Foram mandadas construir por Dom Duarte que aí pretendia fazer um Panteão, mas não chegaram a ser concluídas.



Última actualização a 11-10-2011
Se algum destes dados não estiver correcto, diga-nos.