Guialazer

Castelo de Santa Maria da Feira

Por DR

Votos dos Leitores


Média da votação dos leitores, num total de 9 votos
(carregue na posição pretendida para votar)


01.09.11

A primeira referencia documental do Castelo da Feira é a "Chronica Gothorum" e data de 1035. Noticia o texto a vitória de Bermudo III de Leão sobre um chefe mouro, em César, povoação localizada no território do castelo. Há indícios, porem, de que o reduto remonte ao século X, pois em 977 surge a primeira alusão documental à "civitas" de Santa Maria.


Quando, em 1095, o conde D. Henrique e sua mulher, D. Teresa, tomaram conta do Condado Portucalense, o Castelo da Feira era, juntamente com os de Guimarães, Faria e Neiva, um dos principais do novo domínio. O conde morreu em 1112 e D. Teresa casou com o galego Fernando Peres. Inevitável se tornou, dai, o conflito com o filho, D. Afonso Henriques. Eivado de motivação fortemente independentes ta, o primeiro rei de Portugal haveria de colher o apoio de nobres contra a condessa com epilogo na famosa Batalha de São Mamede (1128). Ao tempo, Ermígio Moniz de Ribadouro era senhor da Terra de Santa Maria e alcaide do castelo, onde, terá sido combinado o movimento revoltoso. Dai haver quem defenda que Portugal nasceu no Castelo da Feira.

Pouco se sabe, ao certo, dos contornos do castelo na época medieval. A construção primitiva converteu-se em menagem-alcaçova envolvida por uma cerca, sendo a actual imagem do castelo obra de Fernão Pereira, terceiro senhor da Feira e alcaide por mercê de D. Afonso V, em 1448, e de seu filho, Rui Vaz Pereira, primeiro conde da Feira.

A ovalada muralha segue uma orientação norte-sul, surgindo a menagem-alcaçova quase no topo meridional, pelo que a praça de armas ´´e ampla. Transposta a porta da barbacã (encimada pelo brasão dos Pereiras e protegida por duas torres) e respectivo pátio, acede-se A porta principal, a Porta da Vila, que dá para a praça de armas, ao fundo da qual se ergue a menagem-alcáçova (com torre em cada um dos quatro Ângulos), de trés pisos, concentrando-se a zona residencial nos dois andares superiores. No primeiro sobressai a cisterna. O segundo é inteiramente ocupado pela sala nobre, com três lareiras, um fogão e quatro janelas, três delas dotadas de conversadeiras. O terceiro piso destinava-se a zona habitacional mais íntima.

Por trés da menagem-alcaçova surge a tenalha, pequena obra de fortificação que constitui a protecão mais próxima da alcáçova. Entre a tenalha e a alcáçova situa-se o pátio da traição, com acesso à respectiva porta. Na fachada sudoeste ergue-se a Torre da Casamata, ao fundo da qual se chega a um recinto quadrangular e abobadado onde se alojavam os soldados e que servia como bateria com troneiras nos muros exteriores. No lado oposto encontra-se a Torre do Poço, com uma profundidade de 33,5 metros que dava acesso a uma nascente de água.

No século XVII construiu-se o Palácio dos Condes da Feira que ocupava quase todo o topo nascente da cerca. Demolido em 1929, restam algumas Paredes, a escadaria e o chafariz. Também do século XVII é a Capela de Nossa Senhora da Encarnação, mandada erguer pela sexta condessa, D. Joana Pereira, no local onde existira outra com a mesma invocação. Vila da Feira passou a cidade de Santa Maria da Feira pelo decreto-lei n° 39 de 14 de Agosto de 1985.

In "Portugal Eterno",2002

Se algum destes dados não estiver correcto, diga-nos.