Guialazer

Eu vou (26 Pessoas vão a este evento)

Por PÚBLICO

A Feira da Ladra continua, duas vezes por semana, a receber peregrinações de vendedores e compradores de tudo e mais alguma coisa no Campo de Santa Clara, em Lisboa.


Todas as terças e todos os sábados, do nascer ao pôr-do-sol, por tendas, bancas ou mesmo por panos espalhados no chão, a especialidade é a segunda mão: móveis, ferro-velho, livros e revistas, roupa, dos discos de vinil mais antigos aos cds mais recentes, quadros, etc, etc.

Toda a espécie de antiguidades e objectos sobre cuja proveniência não se fazem perguntas... Uma parte deste mercado, no entanto, aproxima-se mais da feira habitual, reunindo-se num sector a venda, maioritariamente de roupas, em "primeira mão". 

Desde o início do século que este "flea-market", como internacionalmente são conhecidos estes mercados, assentou arraiais em Santa Clara. A entrada ideal é pelo Arco de São Vicente, onde pára o famoso eléctrico 28. 

Pelo "corredor" do arco até ao mercado espalham-se bancas e panos plenos dos objectos mais variados. Mais à frente, temos uma zona de artesanato sul-americano e outra de tendas com roupa militar. Pelo meio o "caos" generalizado de brincos, óculos de sol, bibelots... Seguem-se os móveis antigos e antiguidades, os alfarrabistas, tendas de roupa, as bancadas especializadas em discos e onde não falta nenhum (pode, inclusive, encomendar-se) e até se conseguem encontrar obras de arte pela simples razão de que o artista não tem mais sítio nenhum onde ir vender e ali é mais prático e directo... Não tenha receio de regatear preços: faz parte do jogo.