Guialazer

    Fotografia

    Helena Almeida: A Minha Obra É O Meu Corpo, O Meu Corpo É a Minha Obra

    • Desenho, 2012. Helena Almeida
      Desenho, 2012. Helena Almeida
    • Desenho, 2012. Helena Almeida
      Desenho, 2012. Helena Almeida
    • Desenho, 2012. Helena Almeida
      Desenho, 2012. Helena Almeida
    • Pintura Habitada, 1975. Helena Almeida
      Pintura Habitada, 1975. Helena Almeida
    • Estudo para Um Enriquecimento Interior, 1977. Helena Almeida
      Estudo para Um Enriquecimento Interior, 1977. Helena Almeida Filipe Braga
    • Estudo para Um Enriquecimento Interior, 1977. Helena Almeida
      Estudo para Um Enriquecimento Interior, 1977. Helena Almeida Filipe Braga
    • Estudo para Um Enriquecimento Interior, 1977. Helena Almeida
      Estudo para Um Enriquecimento Interior, 1977. Helena Almeida Filipe Braga
    • Estudo para Um Enriquecimento Interior, 1977. Helena Almeida
      Estudo para Um Enriquecimento Interior, 1977. Helena Almeida Filipe Braga
    • Estudo para Um Enriquecimento Interior, 1977. Helena Almeida
      Estudo para Um Enriquecimento Interior, 1977. Helena Almeida Filipe Braga
    • Estudo para Um Enriquecimento Interior, 1977. Helena Almeida
      Estudo para Um Enriquecimento Interior, 1977. Helena Almeida Filipe Braga
    • Sem título, 1968. Helena Almeida
      Sem título, 1968. Helena Almeida Filipe Braga
    • Sem título, 1968. Helena Almeida
      Sem título, 1968. Helena Almeida Filipe Braga
    • Sem título, 1968. Helena Almeida
      Sem título, 1968. Helena Almeida Filipe Braga
    • Sem título, 1968. Helena Almeida
      Sem título, 1968. Helena Almeida Filipe Braga
    • Sem título, 1968. Helena Almeida
      Sem título, 1968. Helena Almeida Filipe Braga
    • Tela Rosa para vestir, 1969. Helena Almeida
      Tela Rosa para vestir, 1969. Helena Almeida Filipe Braga

Eu vou (0 Pessoas vão a este evento)

A fotografia, a pintura, o vídeo e o desenho de Helena Almeida (n.1934, Lisboa), numa exposição que percorre cinco décadas de carreira.


Como o título dá a entender, a exposição centra-se na importância do corpo na obra da artista e de como este define, regista e ocupa o espaço num acto performativo com o mundo. As “pinturas habitadas”, ou as séries fotográficas em que a artista usa o seu corpo e presença, são núcleos importantes desta exposição, que irá viajar em 2016 para o Jeu de Paume, em Paris (França), e para o Wiels Centre d’art contemporain, em Bruxelas (Bélgica).