Guialazer

Kasa da Praia

Por Rita França

Votos dos Leitores


Média da votação dos leitores, num total de 19 votos
(carregue na posição pretendida para votar)


20.06.15 Por Andreia Marques Pereira

Levou mais de uma década mas aí está a 'kasa' que marca a estreia do grupo K no Porto. É a Kasa da Praia, que quer fazer ondas neste renovado e carismático edifício.


Não será uma imagem habitual, mas aconteceu a 15 de Maio: os smokings saíram à praia no Porto. Com alguns anos de atraso, é certo, quando já se pensava que tudo seria um “mito urbano”. Também neste caso, a realidade provou o contrário e a frente marítima portuense reclamou finalmente o anunciado novo inquilino. Não foi numa manhã de nevoeiro, mas foi numa noite de sexta-feira que se inaugurou em festa privada e agora tudo está diferente. E não só porque um volume escuro se destaca ali contra o Castelo do Queijo ou o Edifício Transparente, dependendo de que lado se mire — até porque esse volume, essa casa, já existia, mas estávamos habituados a vê-lo sem cor e, ultimamente, esventrado. 

Na sucessão de esplanadas que preenchem a frente de mar desde a foz do Douro até que Matosinhos se insinua em areal limpo, já longe das enseadas rochosas, agora dança-se militantemente. De um lado o azul do mar, do outro o verde do Parque da Cidade e nós estamos entre paredes castanho escuro, com interstícios negros e grandes janelas a rasgarem o primeiro andar (que é mezzanine). Como a vocação é, sobretudo, noctívaga, essas janelas darão também para escuridão. Mas serão iluminadas por dentro, porque a Kasa da Praia é uma discoteca (e será restaurante e lounge, já lá iremos), onde o desenho de luzes é um espectáculo por si mesmo. É o novo “farol” portuense e foi inaugurado com estrondo.

Merecia-o (mesmo que não lhe estivesse no ADN). Afinal, o que ela andou para aqui chegar. Foi um “calvário” o nascimento desta Kasa da Praia — e o “k” não engana, é da mesma família do icónico Kremlin, da defunta Kapital e de novos clássicos como o Kais, o Konvento ou o K Urban Beach (e aqui se vê o peso do ADN) —, com partos sucessivamente adiados; que é o mesmo que dizer, com a vida adiada. Tanto que o que ia ser já não o foi; mas o que é, é-o com convicção e o “ar do tempo”. “Se tivéssemos aberto na data prevista, este seria um projecto do século XX, como abrimos agora é do século XXI”, explica Paulo Dâmaso, um dos responsáveis do Grupo K. Ou seja, tivesse aberto em 2003, como estava previsto, teria três pisos a que corresponderiam áreas totalmente diferenciadas ((bar, discoteca e privados), elevadores e seria, por exemplo, coroado por uma cúpula de vidro. Mas o público do século XXI prefere “espaços mais amplos”, nota Paulo Dâmaso, o que resultou em menos diferenciação das áreas, o que se traduz numa sala tamanho XL que joga com as mesmas ideias de ambientes distintos mas os integra de outra maneira. Do lado de fora, nenhuma alteração: a fachada tinha de ser preservada e foi-o.

É assim que entramos nesta Kasa da Praia, que já foi Colégio Luso-Internacional do Porto e, nas origens, sub-estação de abastecimento de energia dos eléctricos da cidade, como para um edifício “oco”: o seu “miolo” foi retirado, restando a estrutura indispensável para que se mantenha em pé — bem em evidência as traves de ferro que trepam pelo pé direito desmesurado (era de três andares), que lhe empresta o ar industrial — tendo sido implantada uma mezzanine que percorre todos os cantos e constitui uma varanda privilegiada para o espaço, ou seja, para a pista de dança que, como não podia deixar de ser, ocupa o centro de tudo. A tutelar a pista de dança está uma parede de LED, uma cascata de luzes que na verdade esconde um bar, no rés-do-chão e logo por cima a cabina do som, uma verdadeira varanda encaixada abaixo da mezzanine: dali de cima, o DJ está no púlpito, como um verdadeiro sacerdote — do house que é a dieta desta casa. “House mainstream, sonoridades que as pessoas gostam de ouvir, melódicas, cantáveis”, concretiza Paulo Dâmaso. Ou seja, remisturas dos anos 1980, 1990 e 2000 saídas do estúdio onde o DJ residente, Ricci Ferdinand, as vai trabalhando, e os últimos êxitos da electrónica. E entramos colocando rapidamente a cabeça no ar (é inevitável) para intuir que a tecnologia aqui não é a brincar: a quantidade de robots e outros equipamentos que se acotovela lá no alto sobre a pista é um bom indicador. “O equipamento que aqui temos é normalmente utilizado em palcos, para concertos”, explica Paulo Dâmaso. E este equipamento engloba som, luz e vídeo, trabalhados pelo DJ e também por VJ e LJ em permanência — todos criam uma linha estética para cada noite. Todos criam ilusões.

E voltamos à filosofia do espaço, onde, então, um espaço aberto delimita de forma mais ou menos subtil algumas divisórias: o rés-do-chão é de todos; a mezzanine é de acesso reservado (com conjuntos de sofás e mesa dispostos em sucessão e “fechados” por cordões de veludo) e dentro desta ainda existem dois privados, em dois cantos, por detrás de uma espécie de biombos modernos feitos de repas de madeira escura dispostas em geometrias várias e um ar vagamente oriental. 

Todo o espaço é servido por seis bares; serão sete quando abrir a esplanada, virada para o areal (e o Edifício Transparente), madeira sob amplo alpendre — alguns dos quais especializados: há o bar do champanhe, o bar dos cocktails, o bar dos sumos naturais. A esplanada, tal como o restaurante (asiático), abrirão no final de Junho e assim fechar-se-á este primeiro ciclo da odisseia Kasa da Praia que começou com a Porto 2001 — o contrato de concessão foi assinado quando a sociedade ainda existia. A Kasa da Praia ganhará uma nova inclinação diurna — devidamente acompanhada na ementa musical que será easy listening (“jazz fusion, bossa nova, house mais tropical”), terá refeições à carta e alargará a oferta de snacks (já tem hambúrgueres, simples e gourmet, e outros petiscos do género — até à hora do fecho). Ao fim-de-semana o restaurante funcionará como antecâmara para a discoteca, com concertos. E é ao fim-de-semana que o espaço prevê cumprir a que vê como a sua verdadeira vocação: ser um pólo aglutinador da região, não apenas da cidade. O seu público não será só portuense, virá de Tui e Aveiro. À Kasa da Praia. 

Informações
Preços: Fino a 5€; espirituosas desde 8€; cocktails e gins premium entre 11€ e 14€; hambúrgueres entre 5€ e 8€. Às quartas e quintas-feiras os preços baixam entre 1 e 2€. Entrada: cerca de 10€ (varia consoante a programação) consumíveis; zona reservada e privados desde 300€ (inclui serviço dedicado e algumas bebidas).
 



Última actualização a 20-06-2015
Se algum destes dados não estiver correcto, diga-nos.