Guialazer

    Outros

    Lisboa em Si

Eu vou (0 Pessoas vão a este evento)

Por Vera Moutinho

É um concerto inédito em que Lisboa é a protagonista: Durante sete minutos, 100 músicos tocam sons da cidade: apitos de barcos, viaturas de bombeiros, comboios, sinos de igrejas e campainhas de eléctricos.


Há cerca de dois anos, Pedro Castanheira, director artístico do projecto, começou a ouvir a harmonia que os sons do quotidiano da cidade de Lisboa produziam. Em conversa com os amigos, decidiu lançar-se num desafio ambicioso e inédito: escrever e tocar uma composição musical, original e em directo, recorrendo apenas a esses sons. Em homenagem às sete colinas de Lisboa, o concerto teria apenas sete minutos. Depois, descobriu o "sete" do terramoto de 1755: o exacto número de minutos que terá durado.

Depois de testes acústicos e gravações de apitos, campainhas e sinos, os sons foram compilados num programa informático e num teclado. Sons de mais de 20 embarcações, 19 igrejas, dois eléctricos, quatro carros de bombeiros e dois comboios. Para garantir a coordenação entre a centena de músicos, os tempos serão dados via rádio.

Às 22h do dia 21 de Junho, assinalando o solstício de Verão, a "orquestra" vai tocar em toda a zona ribeirinha da cidade de Lisboa. Foram identificados sete pontos de escuta onde a harmonia entre os sons será mais perceptível: Miradouro de Santa Catarina, Praça Camões, Miradouro de S. Pedro de Alcântara, Miradouro da Graça, Castelo de S. Jorge, Miradouro de Santa Luzia e Praça do Comércio.

Mas Pedro Castanheira quer que aqueles sete minutos sejam escutados muito mais longe: "O grande desafio é calar a cidade. Os carros, os bailaricos. Pedimos às pessoas que com o seu silêncio sejam parte activa na partitura. Porque normalmente estão a fazer barulho. E se estiverem em silêncio durante sete minutos é como se estivessem a tocar, naquele momento estão a tocar pausas", explica. Para concretizar o Lisboa em Si, Pedro e a equipa contam com mais de 300 voluntários. "É um evento cívico e político", diz Pedro. "Uma política centrada no sonho. E os portugueses têm na sua história muitos exemplos de conseguirem dar vida a esses sonhos. Este é apenas mais um."